Dividendos e aposentadoria antecipada: isso funciona?


A estratégia em usar dividendos de boas ações e fundos imobiliários para conquistar uma significativa poupança e antecipar sua aposentadoria.


Como comentei em outras postagens, o investimento financeiro no mercado de renda variável gera um excessivo temor para a maioria da população pertencente a um perfil de investidor considerado como “conservador”, que prefere a segurança de aplicações mais tradicionais, vinculadas à taxa Selic ou à popular caderneta de poupança.

Influenciados pelo vai e vem dos mercados, possíveis investidores buscam uma confortável estabilidade, uma suposta segurança das aplicações de menor risco que terminam por constituir a fonte prioritária para a formação de uma renda vitalícia para a aposentadoria, desprezando-se a importância dos dividendos da renda variável das empresas e fundos de capital aberto para a formação desse capital.

Dividendos para a aposentadoria: funciona?

Essa segurança pode ser nefasta para a rentabilidade do patrimônio, pois nos últimos tempos temos visto uma queda considerável da taxa de juros no país. Deixar os investimentos em aplicações extremamente conservadoras, como fundos DIs ou poupança significa prejudicar um crescimento mais sustentável de seu patrimônio no futuro, uma vez que elas já se encontram abaixo da inflação, após impostos. Isso é insuficiente para alcançar de fato, uma independência financeira e aposentadoria antecipada no futuro.

Quando muito, o investidor pode deixar alocado nessa modalidade apenas o dinheiro reservado para emergências, focando no famoso “colchão de segurança”, mas nunca pensando em receber um mínimo rendimento futuro baseado em juros reais. Ele consegue apenas perder “pouco” de seu capital, sem solavancos, mas não recebe sua remuneração devida. A longo prazo, a perda financeira é muito significativa.

Os dividendos para aposentadoria antecipada – ações

Investir no mercado acionário por sua vez, pode possuir várias abordagens, definidas através de estratégias pessoais eleitas. A rentabilidade, o nível de risco e a liquidez dependem fundamentalmente destas escolhas. Saber bem as diferenças entre a renda fixa e a renda variável pode facilitar a escolha da melhor estratégia.

Uma dessas estratégias é escolher empresas sólidas cujas ações paguem bons e constantes dividendos aos seus sócios, imprescindíveis para uma gorda aposentadoria. Esse é o principal método adotado no decorrer da vida de um dos maiores investidores do mundo, Warren Buffet, considerado o quarto homem mais rico do mundo pela revista Forbes em 2013.

Construindo uma carteira acionária de forma sábia, visando o médio e longo prazo, é altamente provável que o investidor embolse rendimentos comparativamente bem maiores do que a inflação e as taxas da caderneta de poupança ou da Selic, ao níveis atuais, sem se preocupar com o sobe e desce do mercado, pois muitas das variações dos preços das ações em curto prazo dependem basicamente do humor dos grandes players e não refletem as reais condições da saúde financeira das empresas e sua consequente distribuição de lucros.

Em resumo, você recebe um fluxo de renda a despeito de um fluxo de mercado. Essas distribuições aos acionistas pelas empresas são reveladas através do índice de dividend yield (DY), ou seja, a relação do pagamento realizado pela empresa dos dividendos e juros de suas ações dividido pelo valor das mesmas. Para exemplificar, veja a média de DY (fonte: Infomoney/Economatica) paga no ano de 2019 por algumas empresas listadas na Bolsa:

Os maiores dividendos pagos por ações em 2019

Compare os números da primeira coluna com uma taxa de Selic de 4,25% com rendimento real, na melhor das hipóteses, de 3,61%. Há pelo menos vinte ações que pagaram mais do que o dobro desse valor em 2019.

E os fundos imobiliários? Como se comportaram em 2019?

Os dividendos para aposentadoria antecipada – fundos imobiliários

No caso dos fundos imobiliários, os rendimentos mensais que recebemos não são chamados exatamente de “dividendos”, mas isso é apenas um purismo teórico. Seus dividendos, provenientes de aluguéis, juros de papéis do setor ou lucros de negociações, acabam sendo considerados como dividendos. E com uma vantagem: possuem uma previsibilidade maior e regular (geralmente mensal).

A menor volatilidade dos fundos imobiliários também colabora para que o iniciante em renda variável direcione seus primeiros aportes para essa classe de ativos.

Bem, e como eles se saíram em 2019? (fonte: fiis.com.br)

Maiores rendimentos e dividendos dos fundos imobiliários em 2019

Reparem que os valores são tão expressivos quanto às ações, em um produto bem menos volátil e muitos deles, lastreados com ativos reais (fundos de tijolos). Não vale a pena abandonar a renda fixa, nem que seja parcialmente? Tais alocações não acelerariam a chegada de sua independência financeira e aposentadoria antecipada?

Não esqueça de uma boa alocação de ativos

Assim, é possível ganhar em dividendos, seja com a instabilidade do mercado de ações ou a maior segurança dos fundos imobiliários, caso haja uma perspectiva de longo prazo. Exercendo essa alocação, as variações momentâneas interessam menos, enquanto os fundamentos das empresas valem mais.

Mesmo entre elas, boa parte possuem fundamentos sólidos em suas áreas de atuação, o investimento acaba tornando-se mais seguro, minimizando os riscos de perdas do capital. Os dividendos de ações e fundos imobiliários tornam-se, assim, fundamentais para garantir uma interessante rentabilidade para sua aposentadoria.

Ambos, ao menos até agora, são livres de imposto de renda: o valor disponibilizado pela empresa já representa seu lucro líquido, após o pagamento de impostos. No caso dos fundos imobiliários há lei garantindo a isenção tributária.

Entretanto, uma boa alocação de ativos deve ser sempre sua estratégia primordial, associada a rebalanceamentos regulares. O investimento em renda variável, diferentemente de renda fixa, nunca deve ser totalmente descuidado. Afinal, uma empresa que tenha apresentado excelentes resultados durante vários anos, pode mudar seu curso. Dividendos passados não são uma garantia total de dividendos futuros. Fundos imobiliários podem perder muito inquilinos, ou o imóvel desvalorizar-se.

Um mínimo de acompanhamento deve ser feito e dessa forma, além dos dividendos em si, há uma grande chance do investidor auferir uma interessante valorização dos papéis. Entendo que para os investidores mais conservadores, não é fácil considerar a decisão de alocar o seu patrimônio em renda variável, ao invés de mantê-lo passivo em cadernetas de poupança e em fundos de investimentos bancários (e, em geral, com altas taxas de administração).

Se você pretende entender o seu perfil e tem dúvidas de como iniciar uma carteira de ativos, veja como orientei minha filha nessa estratégia através do texto “O nascimento e as atualizações de uma carteira de investimentos“.

Afinal, o objetivo de uma aposentadoria, longe de representar uma renúncia à vida, propõe-se a ser uma atitude e uma situação em que você possui os meios de conquistar os sonhos que ainda não foram possíveis. E você? Qual acredita ser a estratégia mais viável para a realização de tais façanhas?

Explore mais o blog pelo menu no topo superior!…
Para me conhecer mais, você ainda pode… ler sobre minha história aqui, ouvir uma entrevista em podcast ou ainda, assistir uma live no Instagram.

E, se gostou do texto e do blog, por que não ajudar a divulgá-lo em suas redes sociais através dos botões de compartilhamento?

Artigos mais recentes:

5 1 vote
O texto foi bom para você?
Assine
Notifique-me a
guest
8 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Renato
Renato
5 meses atrás

Até concordaria se fosse nos EUA. No Brasil dividendos sao esporádicos na maioria e nao garantidos, e as que pagam bem ha algum tempo sao as mesmas empresas tradicionais que ja nao geram crescimento e ganhos de capital expressivos.
Eu concordo com alocacao de ativos porém a parte que é destinada a RV precisa crescer para ser menor e equilibrar com a segurança inquestionável da renda fixa. Ai vc tem o melhor dos dois mundos, crescimento de um lado e tranqulidade e segurança do outro.

Cowboy Investidor
5 meses atrás

Olá, André.

Eu gosto mais da renda varável. Muita gente não gosta por causa das altas variações.
Não sou chegado muito em renda fixa mais por causa que ela tem um vencimento e é uma dívida e não um ativo. Claro, tem o TD a longo prazo, nesse dá para investir alguma grana, mas não muita.
E quando a renda fixa vencer e te pagar e não tiver mais oportunidades boas a pessoa (conservadora) vai deixar a grana parada? Aqui que eu vejo o problema. Deixar grana parada.

Abraços!

Renato
Renato
Reply to  Cowboy Investidor
5 meses atrás

pqp ter que ler que renda fixa é divida é brabo hein. Virou modinha falar mal da RF

Blog Simplinvest
Blog Simplinvest
5 anos atrás

Belo texto! Para enfatizar, antes de olhar o DY, olhe quanto de LUCRO aquela empresa apresenta, e se esse lucro vem crescendo. É uma empresa sustentável? Escolhendo ações olhando apenas o DY não é nada bom, lembrem sempre de olhar se é uma boa empresa como você mesmo disse no texto!
Parabéns pelo blog, não conhecia e gostei muito!

André Rezende Azevedo
5 anos atrás

Obrigado colega! Parabéns ao seu blog também! Enfatiza o conhecimento e o crescimento pessoal! Abraço!

Acompanhe:
8
0
Por que não deixar seu comentário?x
()
x