A estratégia de dividendos é um erro? Sim e não!

Você usa a estratégia de dividendos para montar uma carteira de ações de qualidade? Veja por que isso pode ter sentido (ou não) dependendo da forma como você interpreta essa técnica.

Acabei de assistir um vídeo do Otávio Paranhos no YouTube e resolvi dar uns pitacos aqui sobre o tema “estratégia de dividendos”. Vou explicar por que concordo, mas também não concordo, com suas teses. Se desejar, veja seu vídeo abaixo (a partir dos 13 minutos e 25 segundos)

A interpretação básica (e falha) da estratégia de dividendos

Muitos dos investidores que usam a estratégia de montar uma carteira baseada em ações que pagam bons dividendos focam apenas nos valores das distribuições em si. Ou seja, possuem o prazer em ver caindo em sua conta os dividendos regulares e interpretam isso como uma forma de “recompensa” pelos seus investimentos, sem análises mais profundas.

Otávio não concorda com essa forma de pensar. E, nesse caso, eu concordo com ele. O que traz valor às empresas não são os pagamentos dos dividendos em si. Ele enumera vários pontos para provar seu pensamento:

  • O dinheiro do dividendo poderia ser usado para crescimento orgânico da empresa;
  • O dinheiro do dividendo poderia ser usado para recomprar ações e beneficiar os acionistas;
  • O dinheiro do dividendo poderia ser usado para abater a dívida da empresa, valorizando-a mais;
  • O dinheiro do dividendo poderia…etc., etc.,…

O que gera valor para a empresa não é a quantidade e a frequência da distribuição do dividendo mensal, mas sim como ela aloca capital. E outras formas de alocação do capital poderiam ser mais vantajosas para a empresa do que simplesmente, distribuir dinheiro para os acionistas que investiram em uma estratégia de dividendos. Ou seja, nem sempre o risco/retorno da distribuição dos dividendos vale a pena para a empresa.

E finaliza dizendo que, para o acionista, não importa muito se ele recebe os dividendos regularmente na conta ou vende algumas cotas para manter a equivalência dos dividendos, caso esteja investindo em uma boa empresa que não os distribui com frequência. Provavelmente ela está alocando melhor esses dividendos no próprio negócio.

Eu concordo com as premissas. Matematicamente, contabilmente, não há o que discordar. Há realmente muita falácia na web sobre possuir uma carteira de ações baseadas na estratégia de dividendos, como espelhar a empresa a um fundo imobiliário, por exemplo, que é obrigado a distribuir 95% de seu lucro como tal.

Uma empresa é diferente: ela pode alocar muito melhor esse capital na própria empresa e retornar muito mais ao acionista na forma de valorização das ações. É um erro interpretar a ideia de distribuição de dividendos de forma simplória. Mas… por que eu também acredito que essa é uma interpretação de primeiro nível do Otávio?

A interpretação ampla (e correta) da estratégia de dividendos

Howard Marks, autor e cofundador da empresa de gestão de ativos Oaktree Capital Management, em seu livro “O Mais Importante para o Investidor”, de 2011, definiu a diferença entre o pensamento de primeiro e segundo nível. O primeiro foca em explicar ou resolver um problema imediato, com fracas considerações a respeito de uma avaliação mais ampla.

Remessa Online - cupom de 15% de desconto
Acesse por esse link rastreável: agora é tudo automático na sua tela.

O pensamento de segundo nível, entretanto, é mais exploratório. Podemos perceber algo além do imediato e do óbvio, dando-nos uma chance maior de compreender melhor as decisões e fazendo com que elas tenham um resultado positivo a longo prazo.

O interessante é que, nesse caso da estratégia de dividendos, nem é muito exploratório. É mais uma análise prática da realidade versus considerações contábeis óbvias.

Vamos analisar o seguinte gráfico do mercado brasileiro. Lembrem-se que o ETF DIVO11 é um ETF baseado em empresas que pagam bons dividendos, o PIIB11 é um excelente ETF das maiores empresas do Ibovespa e o SMAL11 é um ETF de empresas de menor capitalização, as small caps:

A estratégia de dividendos é um erro? Sim e não! 1
Rentabilidade dos últimos 5 anos dos ETFs DIVO11, PIIB11 e SMAL11

O ETF DIVO11 tem uma valorização muito maior do que os demais. Situação típica brasileira? É verdade que, no Brasil, os dividendos ainda não são tributados, mas nos EUA são. Como será por lá então?

Vejamos abaixo uma comparação com alguns fundos da Vanguard, a maior gestora de fundos de índices do mundo. Eles possuem o famoso ETF VTI, que engloba, sob um aspecto muito amplo, as maiores empresas locais, sem critérios sob pagamento de dividendos.

Analisando com alguns ETFs que possuem uma estratégia de dividendos, como o HDV, VYM e o VIG, vamos ver a comparação num prazo mais longo, através do Yahoo Finance:

Rentabilidades ETFs globais de estratégia de dividendos
Rentabilidade histórica dos ETFs VTI, VIG, HDV e VYM

Veja que todos os ETFs com estratégia de dividendos apresentaram uma rentabilidade menor do que o VTI. Assim, não temos o mesmo padrão do Brasil, algo muito influenciado pelo imposto que existe nos EUA a cada pagamento de dividendo (o que não ocorre aqui). Com essa variável, fica realmente difícil analisar partindo de uma mesma condição.

Voltando aos ETFs brasileiros, onde dividendos (ainda) não pagam imposto…

Mas, focando nos resultados comparáveis entre os ETFs brasileiros (dividendos não pagam impostos), será, que ao menos aqui, empresas que pagam mais dividendos não seriam, por consequência direta ou indireta, mais bem administradas e o pagamento regular em uma estratégia de dividendos não seria uma CONSEQUÊNCIA dessa boa gestão?

Assim, o jeito correto de escolher ações boas pagadoras de dividendos não seria entender que essas empresas pagam mais dividendos não por que elas “gostam” de pagar dividendos ou porque elas procuram suprir uma expectativa dos acionistas, mas sim porque uma melhor administração “permite” tal distribuição, concomitantemente com outras possibilidades de alocação de capital? Por que, além de pagar bons dividendos, elas se valorizam mais, não?

Conclusão

Em minha carteira ativa, eu possuo mais empresas que pagam bons dividendos (principalmente no setor elétrico), além de VALE e Petrobrás e ela tem performado melhor do que a carteira de ETFs que possui uma composição equivalente entre DIVO11, SMAL11 e PIIB11.

Venho acompanhando mais de perto essa diferença de performance entre os ETFs brasileiros e estou ainda aprimorando essa “conclusão” de que investir em uma carteira de empresas através da estratégia de dividendos seria uma escolha melhor.

Na verdade, não fiz uma pesquisa muito avançada ainda, nem cheguei à uma decisão final. Ainda estou sem tempo de computador com outras prioridades. Vejam que o blog continua meio devagar… Mas me incomoda um pouco o Otávio, que é um expert na análise de ETFs, não ter feito algum comentário nesse sentido. Dá até a impressão (e, quem sabe, seja mesmo) que eu esteja muito errado em algum ponto. Mas os gráficos do mercado brasileiro são muito claros, não?

Se os leitores tiverem mais dados e opiniões a acrescentar, seria muito interessante para a discussão.

Explore mais o blog pelo menu no topo superior! E para me conhecer mais, você ainda pode…
assistir uma entrevista de vídeo no YouTube
ler sobre um resumo de minha história
ouvir uma entrevista de podcast no YouTube
participar de um papo de boteco
curtir uma live descontraída no Instagram
… ou adquirir um livro que reúne tudo que aprendi nos 20 anos da jornada à independência financeira.

E, se gostou do texto e do blog, por que não ajudar a divulgá-lo em suas redes sociais através dos botões de compartilhamento?

Artigos mais recentes:

4.4 8 votes
O texto foi bom para você?
Assine para receber as respostas em seu e-mail!
Notifique-me a
guest
25 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Moisés
Moisés
5 meses atrás

André, em alguns casos, é melhor distribuir que diversificar, quando há caixa líquido. Usina de Cana montou cervejaria que não vingou, banco comprou fazenda que deu prejuízo, por aí, ninguém é bom em tudo (ITAUSA é um bom exemplo com a Alpargatas, quando olhamos Grendene e, principalmente, Vulcabrás). A JBS mesmo, no passado, vendeu vários negócios, assim como a Hypera (na época, Hypermarcas).

Moisés
Moisés
Reply to  André
5 meses atrás

Alguns gestores não gostam de “distribuir”, se acham gênios e aí mora o perigo. Dependendo do caso, das taxas de juros, pegam dinheiro do mercado ou via subscrição e usam os dividendos em outro negócio. Isso tudo para não “distribuir”. Itausa, novamente, um excelente exemplo. Grupo Ultra entrou no segmento de Farmácias/Drogarias e já vazou fora.Talvez a holding mais êxitosa, seja a Cosan. Bradespar se resumia a Vale e já vendeu, também.

Moisés
Moisés
Reply to  André
5 meses atrás

Então, Dynamo e Bogari, tomaram pancada da Vibra e Vibra + Hapvida + Lojas Rener, respectivamente. Sofreram um punhado. Entretanto, Real Investor e Guepardo, mostraram uma vez mais, consciência e crescimento do capital do cotista.

Moisés
Moisés
Reply to  Moisés
4 meses atrás

Era para ser “consistência” e não – consciência. Ato falho.

Economicamente Incorreto
Economicamente Incorreto
10 meses atrás

Olá, Se fala muita bobagem por aí sobre estratégia de dividendos. vejo alguns videos da filha do Barsi e seus amiguinhos na AGF, e fico embasbacado com os erros grotescos de simples cálculos de matemática financeira. Alguns são erros por desconhecimento e outros acredito que são propositais. Sem falar nas falsas premissas para chegar nos resultados desejados, desconsiderar inflação e tudo mais. Tudo em favor de defender a ideia que quanto mais dividendo melhor, o que é mentira. Bom, na minha opinião, empresas lucrativas que pagam bons dividendos, tendem a ter uma boa performance no longo prazo. Não porque o… Leia mais »

Leo
Leo
10 meses atrás

Que bom esse texto, andré! Veio ao encontro do que estou passando: o ano todo avaliando se mudo minha estratégia de ações de dividendos para uma estratégia mais passiva por meio de ETF globais (neutro ou de fator). Acho que a filosofia do Paranhos, seguindo o John Bogle, parte primeiro de evitar riscos para o investidor pessoa física comum: risco de seleção de ativos e comportamentais, além do gasto de tempo e energia, em detrimento de trabalhar para gerar renda. Já me perguntei mais de uma vez pq simplesmente nao comprar DIVO11, VWRA (ETF irlandes global) e uma NTNB, já… Leia mais »

Paulo
Paulo
10 meses atrás

Olá André, blz?
muito legal o post e concordo com seus pontos. =)
eu só mudaria o gráfico que você compara VT com VIG/VYM. Pois esses etf são ficados no mercado americano o VT é etf global.

nos últimos anos emergentes e desenvolvidos “tiraram” rentabilidade do VT que foi muito puxado pelo USA.

eu colocaria a comparação com SPY ou VTI pra ficar mais justo. Verás que o VIG empata ou perde com o etf neutro(spy) e o VYM perde.

Felipe Issa
Felipe Issa
10 meses atrás

Acredito que grande parte da ‘critica’ a dividendos é mais direcionada a pessoas que só ‘filtram’ por empresas que pagam dividendos, sem levar outros aspectos em conta, ou eliminam ótimas empresas só porque elas nao pagam dividendos. Uma estratégia mais focada no value investing, porem aplicada a empresas que pagam dividendos acredito ser uma boa estratégia, até pra ter a sensação de ‘dinheiro pingando’ todo mes. Não sigo o Otávio, mas tenho a sensação que ele é do time ‘full etf’, e com isso é meio que contra fazer stock picking, até porque o investidor individual geralmente não bate o… Leia mais »

Bilionário
10 meses atrás

Olá, esse tema é muito discutido e estudado, tem vários livros sobre o assunto e, pelo menos nos que eu li, normalmente as ações de dividendos costumam performar melhor, quando se considera o retorno total, valorização + dividendos. Uma dúvida, será que nesses sites de comparação o gráfico exibe o retorno total ou apenas a valorização da cota dos ETFs? Porque aí no caso do IDV que comentaram anteriormente, vi que ele tem um dividendo bem maior do que o HDV, se isso não está somado a cotação no gráfico explicaria essa distorção… Outra dúvida, será que esse governo vai… Leia mais »

Tio Bilio
Reply to  André
10 meses atrás

Também estou pensando que além de tributar dividendos, vão tirar benefícios concedidos a algumas empresas, tem muita empresa listada na bolsa que tem vários benefícios fiscais/isenções… se tiraram isenção das compras do exterior das pessoas físicas, imagino que as empresas estão na lista de cortes também.

Anônimo
Anônimo
10 meses atrás

Coloca no gráfico o período de 15 anos. Muda tudo amigo.

Geronimo
Geronimo
10 meses atrás

Opa. estes ETFs da Vanguard que escolhei ai são de crescimento de dividendos e não div em sí. Use um IDV ou HDV se quiser comparar apples com apples.
Eu concordo com o Otávio. Apesar que no Brasil a estratégia de dividendos é uma boa por causa que AINDA nao se paga IR. Nos EUA a coisa é BEM diferente e o peso dos impostos é bem alta, por isso tbm o seu gráfico mostra o que mostra. Há mais coisas entre o céu e a terra ai. Abcs

Anônimo
Anônimo
10 meses atrás

Concordo com a visão do cara, mas a sensação de receber o poder de volta em forma de dividendos e ter a escolhe de aportar na mesma empresa/outras ou usar o valor, não tem preço

25
0
Por que não deixar seu comentário?x