Investimentos: uma viagem lenta à liberdade e independência financeira?

Você conhece os dois conceitos de tempo dos antigos gregos, kronos e kairós?

Veja como eles podem ajudar nossa viagem lenta com destino à liberdade e independência financeira!


Um dos textos que mais me trouxe reflexões sobre a importância do tempo na jornada para a independência financeira veio de uma comunidade no Orkut, chamada “O Investidor Agressivo”.

Postado pelo forista Allan Arantes, mas com referências atuais de outra autoria em uma busca no Google, é uma excelente referência para quem ainda está assimilando o conceito de que é plenamente possível “aposentar-se” cedo, direcionando as atividades de sua vida para o que realmente deseja.

Após um breve comentário, avalie-o por si mesmo e perceba o quanto ele pode adicionar à sua vida.

Reflexão entre o investimento e uma viagem lenta, adquirindo, através de responsabilidade e individualidade, a liberdade e independência financeiras.
Preocupados com o Kronos ou Kairós? – Pintura de Monet

 

A viagem lenta para a independência e liberdade financeira


O conteúdo das palavras abaixo convida à reflexão, e acredito que será muito útil aos leitores, assim como foi para mim para nortear alguns fundamentos da minha vida. Ele possui uma relação íntima com as premissas desse blog, ou seja, a busca de maior independência e liberdade financeiras, além da liberdade intelectual. Ambas são essenciais para criar as condições e tornar possível a edificação da responsabilidade com ênfase em nossa ação humana individual.

Investir também faz parte dessa viagem. Preferencialmente lenta, uma vez que as coisas que vem rapidamente, são muitas vezes efêmeras. Quando escolhemos essa alternativa para a realização de nossos sonhos, estamos utilizando de certa forma a pedagogia dos caracóis, explicada em um livro de Rubem Alves que li há anos.

Um resumo de seus ensinamentos pode ser visto nesse artigo do Sequoia Investments. Sua fundamentação principal é que o aprendizado durante a travessia vale muito mais do a chegada rápida a um suposto objetivo, que pode esfacelar-se sem a solidez dos ensinamentos adquiridos na jornada.

Isso possui uma relação íntima com o tempo, concordam? Ele é essencial para investirmos com método em uma carteira de investimentos e termos sucesso em sua rentabilização. E o resultado é mais liberdade para você empreender todas as demais viagens que você desejar na vida. Um meio para todos os demais fins que imaginar!

Diferença dos conceitos de tempo kronos e kairós

 

Tempo é uma palavra que aparecerá muito no texto abaixo. E aqui vai o meu pitaco para refletirmos um pouco sobre ele. Os gregos foram mestres em nos dar significados diferentes para as mesmas palavras, exercitando e ampliando nossas possibilidades de compreensão.

 
  • Kronos

    O tempo 
    kronos significa o tempo decorrido, que se estende, ou em outras palavras, o tempo cronológico. É esse significado que está mais em contato conosco no dia a dia.
     

    kronos é necessário para o seu planejamento, para otimizar suas conquistas, como nas decisões financeiras que farão parte de sua jornada, como a necessidade da poupança e do melhor método para iniciar e gerenciar sua carteira de investimentos (recomendo a leitura desse texto: “A Alocação de Ativos ao alcance de todos“).

     
     

  • Kairós

     O tempo kairós é o tempo oportuno, o seu momento, onde algo especial para você acontece.


    kairós é o momento em que você desfruta essas conquistas, sejam ações propriamente ditas ou somente a paz interna ou incrementos de sabedoria. Ambos os significados coexistem e vivê-los com equilíbrio e propósitos justos torna a vida mais satisfatória, sem dar importância aos excessos e às vergonhas que a sociedade nos impõe.


Convido os leitores realizarem a distinção dessas duas formas de “entender” o tempo na leitura do texto abaixo. Mexe muito com a gente e nos convida a pensar se realmente estamos fazendo o esforço necessário para chegarmos à nossa independência financeira.

Tempo e Dinheiro

 
Mas o que é trabalhar?

Todas as pessoas nascem com um bem muito valioso que se chama TEMPO.

Trabalhar é trocar seu TEMPO por algo que lhe interesse.

Se você ganha o que lhe é de interesse sem gastar tempo para conseguir isso, você por definição não teve TRABALHO para consegui-lo.

Num TRABALHO, uma pessoa pode converter seu TEMPO em VALOR das mais diversas formas, mas sempre despendendo ESFORÇO, seja ele prazeroso ou não.

Se este ESFORÇO for prazeroso, dizemos que esta pessoa é feliz no trabalho e tendemos muitas vezes a dizer que “o trabalho é também um hobby”, fazendo menção a uma atividade prazerosa que, em tese, a pessoa faria por PRAZER, mesmo que este TRABALHO não se convertesse em VALOR.

Se este ESFORÇO não for prazeroso, dizemos usualmente que “esta pessoa trabalha” e se encaixa em uns 75% da população ativa.

As pessoas querem uma grande diversidade de coisas. Querem comida, querem roupas, querem carros. O VALOR de cada uma dessas coisas pode ser calculado levando-se em conta diversos parâmetros (tempo necessário à obtenção, demanda existente, oferta existente, riscos envolvidos e outra infinidade de fatores).

A unidade de VALOR chama-se DINHEIRO e serve unicamente para servir de protocolo de ESCAMBO entre o TEMPO e um BEM (Seria algo como lavar pratos pra pagar o restaurante…) ou entre um BEM e outro BEM (Seria como deixar seu aparelho celular pra pagar a comida e o tempo de trabalho dos funcionários ).

Então podemos dizer que:

Uma reflexão entre o investimento e uma viagem lenta, adquirindo, através de responsabilidade e individualidade, a liberdade e independência financeiras.


TEMPO + ESFORÇO = VALOR = DINHEIRO

Por último:

Se você é OBRIGADO a gastar seu TEMPO em um ESFORÇO que lhe renderá um VALOR, você é um ESCRAVO. Há escravos pobres e ricos.

Se você é OBRIGADO a gastar seu TEMPO em um ESFORÇO PRAZEROSO que lhe renderá um VALOR, você é um ESCRAVO FELIZ. Menos mal.

Se você NÃO É OBRIGADO a gastar seu TEMPO para convertê-lo em um VALOR, você é LIVRE.

O único objetivo da vida é este: ser livre. Ser livre significa poder fazer o que quiser, onde, como, quando e com quem. Só isso.

O dinheiro não é, portanto, um fim. É um meio.

Para que isto seja possível, é necessário que meu TEMPO não seja necessário na geração de VALOR.

Para isto, o Investimento é o método. O Investimento é o ÚNICO método que gera valor por si próprio, sem que seja necessária a participação do MEU TEMPO congênito, vitalício, precioso e limitado.

Concluímos então que QUEM OPTA POR NÃO INVESTIR NUNCA SERÁ LIVRE.

Apesar de ter concluído que TEMPO=DINHEIRO, gosto de pensar ao contrário. Gosto de dizer que DINHEIRO=TEMPO.

Isto porque “TEMPO=DINHEIRO” coloca o dinheiro como um fim, enquanto que “DINHEIRO=TEMPO” coloca a vida como um fim.

Concluímos então que o Investimento é a ÚNICA maneira de COMPRAR TEMPO. É uma viagem.

Comprando tempo você concentra a vida, vive com mais intensidade, e alcança a oportunidade de realizar os feitos latentes no seu coração.”


* * * * * * * * * *

Veja mais percepções como usar o tempo que temos disponível na vida através do texto “Sonhos, liberdade financeira e lições da raposa e do Pequeno Príncipe“.

* * * * * * * * * *

Esse texto, escrito originalmente em 2013 e atualizado em 2019, faz parte de algumas reflexões de uma viagem que começou na Europa, passou pela Ásia e retornou ao velho continente. Veja aqui como foi essa viagem de 205 dias.

Se desejar, confira as demais reflexões de viagens aqui, ou, se preferir ler mais sobre o tema de liberdade financeira e investimentos, acesse essa página.

* * * * * * * * * *


Para receber atualizações de forma exclusiva e gratuita desse blog, clique no link abaixo:


* * * * * * * * * *

Se gostaram do post, que tal compartilhar com amigos em suas redes sociais?