A saída da Vérios na comparação da rentabilidade dos robôs de investimentos


Por que retirei a Vérios, gestora digital que opera através do Ueslei, seu robô de investimentos, da comparação de rentabilidade das carteiras?


Olá pessoal! Se vocês acompanham aqui no blog a comparação mensal da rentabilidade dos robôs de investimentos, há novidades relevantes: a Vérios saiu do embate.

Nas últimas semanas, recebi a informação de que a gestora digital estava migrando sua parceria da Rico para a Easynvest. Através de trocas de e-mails, percebi que as opções que eles impuseram a mim violava, de certa forma, a liberdade de opções que devemos ter em nossos investimentos.

Veja as razões dessa minha decisão abaixo.

Parceria Vérios e Easynvest - a retirada da gestora na rentabilidade dos robôs de investimentos

A entrada da Vérios na carteira de investimentos

Quando escrevi o texto que iniciou a comparação entre as gestoras digitais, havia comentado alguns diferenciais negativos da Vérios.

O primeiro é que, na época, era a fintech que exigia o maior aporte inicial para o investidor criar sua carteira de investimentos: R$ 12mil.

Segundo que, para o investidor solicitar a inclusão de ativos de renda variável na carteira, ele deveria possuir ao menos R$ 50mil, valor que foi diminuído a R$25mil posteriormente. Mesmo com a redução, um valor inacessível a milhões de brasileiros que gostariam de incrementar a rentabilidade de sua carteira com ativos vinculados a ações de empresas.

A Vérios não opera com fundos de investimentos: eles aplicam os valores referentes à renda fixa em títulos públicos (Tesouro Direto) e, na renda variável, em ETFs (ações no Brasil e exterior). Esses ativos podem ser agrupados em 5 carteiras, e, na carteira mais arrojada, o limite para investimentos em renda variável era de apenas 20%, sem possibilidades de customização.

Isso já prejudicava a comparação das rentabilidades com outras gestoras digitais, como a Monetus, Magnetis e Warren, que permitiam a alocação em renda variável, independentemente do montante investido. Em debates com o pessoal da gestora na época, eles diziam que preferiam manter a “segurança” dos investidores que não eram “experientes”, confundindo essa característica com o caixa que possuem.

Qual a relação? Conhecimento está vinculado à disponibilidade de dinheiro? E se tivermos uma pessoa que fez um grande investimento em outro ativo, mas gostaria de começar a investir em uma gestora digital? Ou alguém que estudou ativamente o assunto e apenas agora conseguiu um fluxo de caixa positivo para investir?

A Vérios, deixando de selecionar clientes através de seu conhecimento, mas sim pelo seu caixa, elimina pessoas com perfis mais arrojados dentre sua base de clientes. Será que há confusão entre volatilidade e riscos? Ou no fundo, é apenas uma questão de custos, uma vez que eles operam com papéis isolados na bolsa de valores e a corretagem que pagam inviabilizam as operações?

Por fim, o terceiro ponto é que havia algo meio surreal na parceria entre a Vérios e a Rico: o investidor era impossibilitado de possuir outros ativos da corretora de valores porque todo o saldo disponível na conta ia para a carteira Vérios. Não havia opção alguma de mantê-lo para poder comprar outros títulos ou ações.

Assim, quem usasse a Vérios, não poderia contar com a corretora Rico para outros investimentos. O interessante é que, no caso da parceria entre a Magnetis e Easynvest, tudo isso era possível: o investidor pode direcionar o saldo de sua conta livremente para os ativos que desejar.

A saída da Vérios da carteira de investimentos

Em meados de agosto, recebi um e-mail da Vérios informando que eles não iriam trabalhar mais com a Rico, e sim com a Easynvest. Eles conseguiram evoluir seu robô de investimentos: agora ele permite que o investidor possa comprar ativos na mesma corretora.

Mas a evolução não foi completa: se seu desejo for comprar os mesmos ativos que a Vérios investe (títulos do Tesouro Direto ou determinados ETFs), nada feito. O robô de investimentos exige exclusividade nesses papéis.

Para mim, o caso ganhou contornos piores. Uma vez que eu já possuía títulos do Tesouro Direto na Easynvest, eu precisaria ou incluí-los na plataforma da Vérios ou transferir sua custódia para outra corretora, se eu quisesse permanecer com a Vérios.

Absurdo, não? Eu uso a Easynvest para manutenção dos meus títulos há mais de 12 anos, quando a corretora ainda se chamava Título. E, de repente, chega a Vérios e sou desalojado de minha condição? Hilário… Preferi sair da Vérios. Afinal, foi a terceira condição que me foi proposta:

Cancelamento da Vérios na carteira dos robôs de investimentos

O que poderia ser feito pela Vérios

Eu sugeri à gestora mudanças na forma de gerenciamento da carteira, pois ela limita de sobremaneira a liberdade das pessoas em investir em seus próprios ativos, praticamente exigindo exclusividade em uma corretora de valores.

A Easynvest, em 2016, tornou-se a maior corretora de valores em clientes que investem no Tesouro Direto. Será que nenhum deles investia na Vérios? Será que não há mais clientes sendo “obrigados” a tomar uma decisão que não fariam se a gestora digital não tivesse migrado para a corretora?

Acredito que é difícil a Vérios expandir-se muito com esse modelo. A própria evolução das carteiras vai impor ainda mais limitações para seus clientes. Como comentei no post da comparação da rentabilidade da carteira de ETFs, o mercado de fundos de índice tende a ampliar-se no Brasil. Se a Vérios desejar ampliar sua diversificação, serão mais papéis que seus clientes não poderão operar na corretora.

Se você é cliente Vérios, sugiro não usar a Easynvest para mais nada, pois corre o sério risco de ver seus ativos serem “sequestrados” pelo Ueslei, o robô da gestora digital. Para manter sua liberdade de criar sua própria carteira de investimentos, talvez muitos clientes da Easynvest tenderão a mudar de corretora de valores.

Sei que posso estar falando para pouca gente. Afinal, o perfil de quem investe na Vérios está mais próximo ao investidor passivo, que não pretende gerenciar um portfólio exclusivo. Mas, se um dia esse perfil se alterar, a Easynvest não será sua escolha.

O problema dos ativos individuais

O problema todo ocorre pelo fato de que a Vérios, diferentemente da Magnetis, Monetus ou Warren, não opera através de fundos de investimentos exclusivos. Se assim fosse, não haveria problemas, pois negociações desses fundos só poderiam ser feitos pelas plataformas correspondentes, e não diretamente pela corretora de valores.

É exatamente por isso que a parceria da Easynvest com a Magnetis vem funcionando tão bem. Para que o robô da Magnetis entenda que você deseja investir, você deve ir à sua plataforma e autorizar o valor correspondente. Sem complicação e com total liberdade de investir nos demais ativos que desejar.

A Vérios investe basicamente em Tesouro Direto e em ETFs de renda variável. Qual seria o problema em possuir seus próprios fundos de índices? A Warren possui seu fundo vinculado à Selic com taxa zero. A Vítreo possui seu fundo de IPCA longos com taxa 0,05%. Da mesma forma, a Magnetis e Monetus possuem seus fundos multimercados e renda fixa. Não seria o caso de a Vérios fazer o mesmo?

Ainda devemos mencionar que, comprando diretamente do Tesouro Direto, pagamos uma taxa de 0,25%, maior do que os fundos de índice que vemos no mercado. Ou seja, pensando em adicionar fundos na carteira, a Vérios poderia oferecer uma rentabilidade ainda maior, em função de taxas menores.

Infelizmente, a comparação da rentabilidade dos robôs de investimentos perderá um player, embora que, pelas próprias limitações na montagem inicial da carteira da Vérios, ele estava enviesado, uma vez que era a única carteira que não possuía investimentos em renda variável.

Enfim, eu fiquei meio contrariado com essa situação, principalmente pela falta de liberdade que dá a nós, investidores. Receber a sugestão de ser “despejado” de minha corretora mais antiga mexeu um pouco no meu orgulho.

O que acham? Exagerei ou deveria ter aceitado passivamente a situação?

Explore mais o blog pelo menu no topo superior!…
Para me conhecer mais, você ainda pode… ler sobre minha história aqui, ouvir uma entrevista em podcast ou ainda, assistir uma live no Instagram.

E, se gostou do texto e do blog, por que não ajudar a divulgá-lo em suas redes sociais através dos botões de compartilhamento?

Artigos mais recentes:

Resumo da semana (16/10/20)

Tudo bem, pessoal? Um novo texto do blog mostra como a inflação do estilo de vida pode ser decisiva para o planejamento de sua independência financeira. Veja…
Leia mais

5 3 votes
O texto foi bom para você?
Assine para receber as respostas em seu e-mail!
Notifique-me a
guest
16 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Felipe D
Felipe D
22 dias atrás

Fala Andre, só um toque, o link da newsletter do email p este post está encaminhando erroneamente p o post “https://viagemlenta.com/o-papel-da-rotina-no-gerenciamento-de-sua-carteira-de-investimentos/?ct=t(verios)”
Abraço

Assolini
Assolini
22 dias atrás

Investi na Verios logo no começo, em 2016, quando tinha zero conhecimento sobre o assunto. Mas entender a forma como eles funcionavam me despertou a curiosidade de estudar mais sobre investimentos.

Fiquei apenas 1 ano lá, depois de aprender a investir sozinho e ganhar confiança. Na época eles já tinham essa limitação, uma pena ver que não evoluíram muito desde então.

Aliás gostaríamos de saber sua opinião da compra da EasyInvest pelo Nubank,

Abraços e parabéns pelo blog!

Felipe
Felipe
22 dias atrás

Isso da verios deixar os ativos em seu nome me lembra a ‘carteira adminsitrada’ que tem na vitreo (pra FIIs e Acoes de div), cmo os ativos ficam no seu nome tem algumas vantagens tributárias. A diferença é que na vitreo não tem tesouro direto nem HB, então não da pra ter esse problema de ‘misturar’ e te deixar preso.

Vagabundo
22 dias atrás

Deve ser limitacao do sistema deles. No seu lugar teria saído tbem pois transferir custodia ia dar mais trabalho.

Ricardo
Ricardo
23 dias atrás

Sim. A Vérios tem travado as aopções. Muitas exigências. Prejudica o pequeno investidor.

Investidor Inglês
23 dias atrás

Fala André!

Achei sua atitude correta! Os caras chegam e querem ditar o que você tem que fazer, nada legal não?

Eu também encerraria o vinculo com uma atitude dessas.

P.S Acho que descobri o problema das notificações de comentário. É um bug do wordpress (segundo o plugin WpDiscuz). Estou testando a solução e se der certo compartilho com você.

P.S-2 E o baby, está chegando ou já chegou rs?

Abração!

Anônimo
Anônimo
23 dias atrás

Realmente (Rico) –> (Easyinvest) foi uma solução que não vai servir para todo mundo. Eles optaram por abandonar alguns clientes ao invés de encontrar uma solução que agradasse a todos, como por exemplo (Rico) –> (Easyinvest e/ou Rico).

Esse negócio de ser independente de corretora tem suas vantagens e desvantagens. E logo uma das vantagens (poder disponibilizar o mesmo serviço em mais de uma corretora) não foi executada na prática.

Vinicius
Vinicius
23 dias atrás

Sempre achei legal a proposta da Vérios de investir direto em ativos no nome do cliente ao invés de fundos de investimento, talvez um preconceito residual de quando acompanhava o Bastter.
Agora, neste artigo ficou claro a desvantagem desse modelo e acho que você tomou a decisão correta, eu não me daria ao trabalho (ainda burocrático) de migrar os títulos antigos para outra corretora, apenas para manter essa empresa no experimento que já era destoante devido a falta de renda variável.

Last edited 23 dias atrás by Vinicius
Acompanhe:
16
0
Por que não deixar seu comentário?x
()
x