Fake news, portais de notícias personalizados e meu Feedly


Você conhece o Feedly ou outros agregadores de conteúdo?

As mídias tradicionais estão perdendo dia a dia o seu papel como fonte de informação principal e referência de autoridade.

Bons serviços como ele permitem gerenciar nossas próprias fontes de notícias e possuir nosso “jornal” personalizado. Você sabe como usar bem essa utilidade?


A idiocracia social

Para os leitores mais antigos desse blog, não é novidade a minha incredulidade com o progresso da inteligência humana. Não me refiro, porém, à inteligência matemática e às inovações tecnológicas: esses campos estão progredindo a todo vapor e nos brindarão com grandes avanços no futuro.

Refiro-me aos pensamentos em voga nos campos econômico e social. A doutrinação imposta pela Revolução Gramsciana nas últimas décadas está levando a humanidade a defender conceitos risíveis e temerários para o futuro de nossos filhos. E os profissionais de imprensa são uma das classes mais representativas dessa idiocracia, em conjunto com os “artistas”, professores e outros profissionais provenientes das ciências sociais.

Feeds e RSS: agregadores de conteúdo para notícias

A maioria das pessoas dessas categorias está perdida, mergulhada em um conflito onde a doutrinação a que foram submetidos não fornece mais as razões para interpretar corretamente o mundo atual. E usam seu papel de destaque na sociedade para proferir imbecilidades à sua audiência através de seus meios singulares. E o fazem de uma forma tão sutil que passa despercebida da massa. Afinal, as mentiras mais perigosas são as verdades ligeiramente distorcidas.

Abandone a imprensa com vieses próprios

Agora mesmo a pouco, estava almoçando com a TV ligada no Jornal Hoje. Na matéria da visita de Trump à Ásia, o jornalista falou claramente que o presidente “não tem limites nas redes sociais para ofender o ditador Kin Jong-un”. Parece piada: o jornalismo inverte totalmente atitudes de causa e consequência, não possuindo o menor pudor de defender, com inverdades, um ditador da pior espécie contra um presidente eleito em um dos países mais livres do mundo, apenas porque esse presidente não era o seu preferido na eleição.

Muitas outras aberrações estão presentes, como a exacerbação de atitudes cultivadas no feminismo, na ideologia de gênero, na constante tarefa de dividir a sociedade em castas, seja por raça ou religiões. Mas o foco desse texto é outro: como você pode, usando a tecnologia nascida com a internet, criar o seu próprio portal de notícias através de um reader de RSS e ficar livre das fake news?

A tecnologia do feed que possibilitou a existência dos agregadores de conteúdo

Praticamente todos os sites ou blogs que atualizam o seu conteúdo regularmente o fazem fornecendo “códigos” XMLs denominados “RSS“, que por sua vez, podem ser utilizados em formato de “feeds” por páginas agregadoras de conteúdo (os “readers”) para ser acessados oportunamente. Experimente acessar https://viagemlenta.com/feed.

Dessa forma, o usuário que possui conta em um agregador de conteúdo, poderá acompanhar novos artigos e conteúdos de sites e blogs sem a necessidade de acessar suas páginas originais. O próprio reader envia em seu painel a informação de que existe uma postagem nova, que poderá ser lida em sua integralidade ou apenas a distância de um clique. Ou seja, não há a necessidade de visitar seu blog preferido constantemente para saber as novidades.

É uma tecnologia que rivaliza com as assinaturas por e-mail que podemos fazer diretamente do site, que, por sua vez, podem possuir vários padrões. Algumas vezes o site ou blog apenas envia, via outro serviço, uma notificação de artigos novos. Em outros casos, ele pode possuir outras serventias, como conteúdos e mensagens exclusivas ou diferenciações de assuntos conforme o desejo do assinante.

São opções que dependem do que busca cada leitos. Esse blog envia apenas um e-mail semanal aos seus assinantes, para um público que não gosta de ser incomodado diariamente. Já há pessoas que preferem ver as novidades diariamente: aí nesse caso, pode ser interessante assinar algum agregador de conteúdo ou seguir o blog pelas redes sociais.

Minha experiência com o Feedly

Sou um órfão do Google Reader. Comecei a usar o agregador desde a década passada, mas o Google descontinuou, até agora sem uma explicação eficiente, o seu produto, que era muito bom. Procurando alternativas, descobri o Feedly, que cresceu muito com a migração dos ex-usuários do reader do Google e hoje apresenta-se maduro e com muitas funcionalidades.

Desde 2013 sou assinante do Feedly e o serviço sempre me atendeu muito bem. Se você ainda não usa um agregador de conteúdo, sugiro experimentá-lo e perceber como é simples criar o seu próprio Portal de Notícias e interromper as visitas errantes entre os sites de notícias que prefere. Afinal, disponibilizar melhor nosso tempo é algo que precisamos sempre buscar na nossa rotina.

As facilidades começam já na hora de criar uma conta: clicando no botão login você pode acessá-lo através da sua conta do Google ou Facebook. Se desejar, pode criar uma conta exclusiva para o Feedly também. Após o login, você verá uma tela semelhante a essa:

Tela inicial do Feedly - agregador de conteúdo

A melhor forma de usá-lo é adicionar a url de suas fontes de notícias e blogs preferidos no campo de procura em destaque no meio da página, como por exemplo, https://viagemlenta.com ou https://viagemlenta.com/feed. Se o blog já possuir alguma autoridade na web, seu feed aparecerá automaticamente abaixo, com o número atual de seguidores do Feedly e a frequência média de postagem.

Posteriormente, você deverá clicar no botão “follow” (seguir) e escolher uma nova categoria para esse site/blog. Como sugestão, em meu Feedly eu possuo categorias como Budismo, Economia, Educação Financeira, Filosofia, Informática, Liberdade, Livros, Política, Saúde, etc. Isso ajuda a manter o feed organizado e facilita a priorização de sua leitura, caso o seu tempo esteja limitado.

Criar um novo feed no Feedly

Após a criação do novo feed, veja abaixo que a coluna da esquerda será o local onde sua biblioteca será alimentada com novas inclusões. Imagine esse campo como uma prateleira dos seus sites favoritos, onde você poderá decidir o que e quando ler. E possível ainda guardar os melhores artigos lidos e criar uma biblioteca à parte, apenas do suprassumo de suas fontes. Bom, não?

Os números ao lado do site/blog indicam o total de artigos não lidos (no caso de uma inclusão ele captura os artigos postados nos últimos 30 dias até um limite de 10 textos). Essa configuração, entretanto, pode ser customizada assim como muitas outras, como a apresentação da tela inicial, das postagens, assim como a forma de ler e apresentar os arquivos lidos.

O serviço também possui um APP para smartphones muito bonito e funcional, com mais funcionalidades do que a versão desktop, seja seu sistema Android ou o IOs dos Iphones. E como não poderia de ser, possui um add-on para o Chrome, na Chrome Store que adicionado ao seu navegador, pode adicionar automaticamente páginas da web visitadas ao serviço além de outras funcionalidades.

Reparem ainda na tela abaixo, que o Feedly, na coluna da direita, sugere páginas para serem seguidas que estejam relacionados ao mesmo assunto do site cadastrado. Aceitando ou não essas sugestões, insisto que a melhor forma de possuir o seu portal particular de notícias e leituras é gastar um tempo para montar sua própria biblioteca para usufruí-la agradavelmente mais à frente. Afinal, é sempre aquela máxima: vale gastar um tempinho na edificação de algo que possa ser desfrutado no futuro.

Feeds no Feedly e sugestões

Consequências de possuir o seu próprio Portal de Notícias

Existem ainda bons agregadores de conteúdo, como o Inoreader e extensões automáticas para uso no navegador, como o RSS Feed Reader.

Independentemente do leitor que escolher, a responsabilidade pessoal é determinante para entendermos as consequências de nossas decisões. Ter um Portal de Notícias particular nos faz exercer essa responsabilidade. A partir do momento que escolhemos nossas próprias fontes, ao invés da mídia globalista, carregamos a incumbência de prepará-las adequadamente, permitindo também a exposição de opiniões diversas.

Ou seja, o equilíbrio entre pontos de vista heterogêneos pode ser um meio eficaz para que não caiamos na mediocridade, mas sim continuemos expandindo nossos conhecimentos.

Assim, a personalização de notícias feita pelo próprio usuário, em contrapartida ao consumo da grande mídia, será tanto mais benéfica quanto maior o senso de responsabilidade e amadurecimento intelectual pessoal. Toda escolha deve ser feita com sabedoria, e mesmo essa, não foge à regra.

Hoje a leitura do meu Feedly particular ocupa ao menos uma hora do meu dia. Às vezes mais. Ele permite-me seguir apenas os sites e blogs que considero intelectualmente honestos, mesmo que possuam algumas posições distintas das minhas. O efeito colateral positivo é o contraponto que eles estabelecem em relação à miséria intelectual que jorra hoje na imprensa, seja na mídia de massa ou em nichos específicos do mercado.

Através do meu Portal de Notícias aprofundo meus conceitos sobre mindfulness, acompanho análises na economia, seja no Brasil ou no mundo, fóruns de fundos imobiliários, artigos da finansfera (uma comunidade de blogueiros que falam sobre investimentos e educação financeira), opiniões políticas, tendências sobre informática e novidades sobre atualizações científicas no campo da saúde (fundamental para a mudança de minha dieta para paleo) e exercícios físicos.

Enfim, se você acompanha muitos blogs e sites, possuir um reader é a melhor forma de organizar toda a informação, principalmente se você não deseja um acompanhamento por email, que muitas vezes pode ir para spam ou perder-se em meio a assuntos mais importantes no momento. No Feedly, você acessa quando desejar e, mantendo a organização em tópicos, torna a leitura muito mais prazerosa e otimizada conforme sua necessidade. Sem fake news.

 E você, usa algum agregador de conteúdo? Qual? Caso negativo, como faz para acompanhar seus sites e blogs preferidos? Deixe seu comentário abaixo! Ele pode ser importante para futuros leitores que necessitam organizar melhor as leituras do seu dia a dia.

Explore mais o blog pelo menu no topo superior!…
Ou leia um pouco de minha história aqui ou então, ouça a entrevista que fiz para o podcast do blog SRIF365.

E, se gostou do texto, por que não ajudar a divulgá-lo em suas redes sociais através dos botões de compartilhamento?

Artigos mais recentes:

Sou mesmo um escravo?

Essa dúvida me aflige. A leitura do texto que mostra, aparentemente de forma racional, que todo assalariado é um escravo, atormenta meus sentidos há tempos.…
Leia mais

2
Deixe seu comentário!

avatar
1 Comment threads
1 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
AndréFelipe D. Recent comment authors
  Subscribe  
Notify of
Felipe D.
Visitante
Felipe D.

Olá André, bacana ver um post sobre feed no seu blog. Como você também comecei com o google reader e tive que migrar p Feedly (aliás acessei este post por lá). Já o inoreader não tinha ouvido falar, o que te fez migrar? Um ponto negativo que vejo é que vira e mexe algum site desativa o rss e assim não recebo mais as atualizações, não sei se fazem isso para forçar o usuário a entrar na página ou se simplesmente não tem interesse em manter a funcionalidade. Aproveitando o tópico, poderia citar alguns blogs e sites que você destacaria… Read more »

André
Admin

Oi Felipe! Mudar um pouco de assunto, né? O Inoreader tem a vantagem de permitir a divisão da tela em duas: de um lado, a lista do feed e do outro, apresentar o texto diretamente. Como eu tenho aqueles monitores “wide”, a apresentação fica melhor. Esse lance do ponto negativo que vc falou, muitas vezes não é culpa do editor do site. Quando mudei para o WordPress, meu feed no Feedly ficou uma bagunça. Eu ainda assino o Feedly para algumas coisas e checar a apresentação do Viagem Lenta lá, e existem três feeds meus lá. No início, nenhum deles… Read more »

Acompanhe: